O POETA NUNCA MORRE

(In Memorian de Luiz Carlos Monteiro)

O Poeta nunca morre
porque tem a impossibilidade
de plantar palavras,criar versos
nos infindáveis alpendres da saudades...

O Poeta nunca morre
dormes profundamente em letras
reluzentes dos sertões estrelados
com musas fragmentadas...

O Poeta nunca morre
sai pelos becos da insônia
nos desmontes das dores
na solidão de Neón...

O Poeta nunca morre
personifica a canção perfeita
nas vigilias das pedras
nas mágoas dos mangues...

O Poeta nunca morre
mesmo exposto ao caos
inspirado na fumaça
do solitário cigarro...

O Poeta nunca morre
quando versos brancos
dançam nas cores
das despedidas...

O Poeta nunca morre
na visão ininterrupta
dos teus óculos transfigurando
as falacias da vida...

O Poeta nunca morre.
(Flávio Magalhães)

Comentários

 
Copyright ©2018 GArganTA MAGAlhães Todos os Direitos reservados | Designed by Robson Nascimento