Carro Agônico II

(Ao Mestre Waldemar Cordeiro,pelo seu Centenário)

Moxotó chora nos paradigmas
Dos teus cabelos brancos.
Boêmio das palavras
Contra as esporas de ferro
Da mediocridade urbana...

O Sertão uma vingança
Vista pelo abismo da fechadura...

Moxotó ainda chora
Nos salões vazios
a solidão de Sibonei...
Aguardo a vida
Como um hiato
Celebrando tua poesia
que vaza em turbulentas
vértebras na Avenida...
(Flávio Magalhães)

Comentários

 
Copyright ©2018 GArganTA MAGAlhães Todos os Direitos reservados | Designed by Robson Nascimento