Para evitar eventuais problemas, a 7ª Vara Empresarial do Rio ainda deixou claro que os herdeiros de Renato Russo terão que pagar uma multa de R$ 50 mil cada vez que tentarem impedir os dois músicos de utilizarem o nome para os fins determinados.
"Não parece minimamente razoável que [Dado e Bonfá] não possam fazer uso de algo que representa a consolidação de um longo e bem sucedido trabalho conjunto - reconhecido por milhões de fãs", afirmou um trecho da sentença.
E continuou: ”É legítimo que suas apresentações musicais devam fazer referência à antiga banda e, para tanto, eles devem estar autorizados a utilizar a marca sempre que desejarem, independente de autorização da ré [Legião Urbana Produções Artísticas]”.
Mas quem pensa que a guerra entre os músicos e o filho de Russo, Giuliano Manfredini, acabou está enganado.
O advogado Alexandre Viveiros, que representa a empresa Legião Urbana Produções Artísticas, ressaltou que as principais exigências dos músicos, como coparticipação na marca Legião Urbana e indenização por danos morais e patrimoniais, não foram acatadas pela Justiça.
Segundo o jornal “O Globo”, o profissional garantiu que pretende recorrer para deixar "claros os limites dessas atividades profissionais”. "É um recurso cabível quando a decisão não é clara o suficiente”, pontuou.
Histórico
O legado de Renato Russo é motivo de sérias divergências entre os ex-integrantes do Legião e a família do músico. Isso porque as duas partes dizem ter direitos sobre a marca, mas não concordam entre si.
Tudo começou com o especial produzido pela MTV com Wagner Moura cantando os hits da banda. Giuliano teria dificultado a autorização, o que o herdeiro nega.
Por outro lado, em março deste ano, Giuliano lançou um novo site sobre a banda sem o consentimento ou participação de Marcelo Bonfá e Dado Villa-Lobos, que, na época, se disse "indignado".